Pular para o conteúdo principal

Resenha: A Zona Morta

LIVRO: A Zona Morta
ANO DE LANÇAMENTO: 2017
AUTOR:  Stephen King
EDITORA: Suma de Letras
NUMERO DE PAGINAS: 479
CLASSIFICAÇÃO: ★★★★★♦




Sinopse:
Depois de quatro anos e meio, John Smith acorda de um coma causado por um acidente de carro. Junto com a consciência, o que John traz do limbo onde esteve são poderes inexplicáveis. O passado, o presente, o futuro – nada está fora de alcance. O resto do mundo parece considerar seus poderes um dom, mas John está cada vez mais convencido de que é uma maldição. Basta um toque, e ele vê mais sobre as pessoas do que jamais desejou. Ele não pediu por isso e, no entanto, não pode se livrar das visões. Então o que fazer quando, ao apertar a mão de um político em início de carreira, John prevê o que parece ser o fim do mundo?



Olá caros leitores e caríssimas leitoras, preparados para mais uma resenha literária. Venham comigo descobrir minhas impressões à respeito da obra.



John era um professor normal, com uma vida também normal. Entretanto, após um pass…

Resenha: A Diferença Que Fiz

Livro: A Diferença Que Fiz
Editora: Generale
Autor: Gutti Mendonça.


Sinopse:
Arthur Zanichelli é um garoto incapaz de perceber a sorte e os privilégios que tem. Filho do doutor Guilherme, um renomado e bem-sucedido médico, dono de um dos hospitais mais bem-conceituados da cidade, Zani, como gosta de ser chamado, prefere insistir no desgaste de sua relação com o pai.
Perto de seus 18 anos, Arthur ainda não consegue perdoar o pai pela morte da mãe quando ainda era apenas uma criança. Ao longo dos anos, a relação de ambos se torna cada vez mais insustentável. Arthur é o exemplo clássico de rebeldia adolescente, se envolvendo com más influências e com fascínio por tudo que é errado ou proibido.
Tendo cruzado a linha do limite há muito tempo, Zani persiste no caminho do incorreto e do inconsequente, mas, quando ele começa a se distanciar demais desta linha, seu pai, com medo de que não houvesse mais volta e que esta rebeldia se consolidasse na personalidade de uma pessoa ruim, resolve ser radical.
Doutor Guilherme decide expulsá-lo de casa e o envia para um hospital em uma pequena cidade do interior aos cuidados de um colega de profissão. Arthur é obrigado a se passar por um dos pacientes do hospital, que atende e recebe apenas crianças e adolescentes carentes.
Sentindo o enorme contraste de realidade, Arthur começa a conhecer uma vida que não conseguia sequer imaginar que existia. Sem abandonar seu espírito de revolta e maldade, causando muitos conflitos, ele transforma o cotidiano dos internos.
Com personagens marcantes, A diferença que fiz mostra o quanto somos capazes de transformar o mundo – para o bem ou para o mal. Essa história emocionante faz com que tenhamos uma visão mais clara das pessoas que devemos dar valor e das mudanças que devemos buscar em nós mesmos.



Olá caros leitores e caríssimas leitoras, preparados para mais uma resenha literária. Venham comigo descobrir minhas impressões à respeito da obra.



Arthur Zanichelli, ou Zani (como gostava de ser chamado) um adolescente de dezesseis anos, rico, rebelde, mal educado, grosseiro, da pior espécie, assim como ele mesmo se considerava, que passou a dar um baita trabalho ao seu pai, o doutor Guilherme, depois da morte de sua mãe. Porém, se superou no quesito problema quando bebeu todas com seus amigos e atropelou o jovem esportista Erick durante a madrugada na cidade de Zankas e o deixou em estado gravíssimo, por pouco não o matando. Guilherme ficou “encaralhado”, e sem chão. Arthur já ouvira todos os sermões, tivera todos os castigos e nada resolvia. Como “punição”, para uma última tentativa de fazer o filho criar juízo, internaria Arthur no Hospital Santa Lúcia, onde cuidava exclusivamente de crianças com câncer e isso não era tudo: ele fingiria ser um doente e seria tratado como tal, com a diferença de que não passaria por quimioterapia ou outro tratamento, mas ficaria trancado no escritório do doutor Roberto, diretor da instituição e amigo Guilherme, para que os funcionários e as crianças imaginassem que ele estaria em tratamento. E se o protagonista continuasse a aprontar das suas, seria expulso do hospital e faria o que bem entendesse de sua vida, porém que esquecesse que tinha pai.



Partindo dessa premissa,  pode-se dizer logo no começo, temos clichê; o protagonista é um anti-herói e tem o objetivo de valorizar a vida em um hospital com crianças com câncer, uma lição de vida. Sim, aparenta ser comum, mas duvido que o leitor largue o livro por esse ínfimo motivo. A narrativa de Gutti Mendonça amadureceu muito após seus outros dois livros (“O preço de uma lição” e “Mais uma chance”) que escreveu com Federico Devito. É o tipo de narrativa que nos familiariza com os personagens, até mesmo com o irritante Arthur, e tem uma pegada jovial, mas sem o uso de gírias ou expressões do gênero e navega num estilo romântico, de fato, e um pouco mais adulto. Aliás, mesmo não sendo um cara gentil e afável, a personalidade Zani me chamou atenção e me cativou justamente por isso, por não ser um mocinho e nem um vilão, e sim um protagonista com uma personalidade forte, humana e de carregar um texto original e inteligente. Gutti criou uma estória bastante crível e real, dando as características físicas e as emoções para o protagonista. As personagens secundários também é um fator positivo no livro, pois todos são bem construídos.




O livro possui 480 páginas, mas a leitura é tão fluída que ao término eu queria mais. Sendo assim só me resta indicar a obra por tudo que mencionei de positivo nela. Recomendo! Em resumo "A Diferença Que Fiz" é um livro cliché, mas surpreende pelas lições contidas no livro e nos faz refletir sobre atitudes inconsequentes que fazemos durante nossa jornada de vida. Finalizo por aqui, espero que tenham gostado da resenha e até a próxima!



Comentários

  1. Oi Luciano, gosto de livros com anti-hérois, e achei interessante o enredo do livro e também da ilustração que nos mostrou. A dica está anotada!


    Beijos Mila
    https://dailyofbooks.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Camila! Que bom que você gostou, pois o livro é maravilhoso. Beijos!

      Excluir
  2. Opa, tudo bem por aí?

    Não conhecia a obra, mas me pareceu bem interessante a premissa e a sua resenha instiga o leitor a querer conhece-la.

    Abraços!
    www.acampamentodaleitura.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Gleydson, tudo sim! A obra é maravilhosa, não deixe de conhece-la. Abraço!

      Excluir
  3. Oi
    como sempre mais um livro que não conhecia, parece ser uma boa obra e aquela que tem uma boa lição e que mexe com o leitor.

    http://momentocrivelli.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Denise! O livro é sim reflexivo, consequentemente tornando a leitura agradável.

      Excluir
  4. Uma história curiosa, principalmente a forma de punição que o protagonista recebeu. Eu li O preço de uma lição e gostei bastante, acho que é bem capaz que eu goste desse livro tbm, visto que você pontuou o amadurecimento na escrita do Gutti. Adorei a resenha!

    Beijos
    http://www.leiapop.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Bruna! O Preço de uma Lição é muito bom não é mesmo. Este aqui é ainda melhor, se o ler, certamente você vai gostar. Beijos!

      Excluir
  5. Olá, Luciano.
    Não estava lembrando do autor até você citar os outros livros, que já li um deles. E achei o enredo desse interessante e se der vou ler ele.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  6. Interessante essa premissa de trabalho com um anti-heroi! Acho que isso cria tensão na história, o que mantém a gente preso ao livro! hehehe

    Adorei o gatinho tbm!

    Um beijo,
    Fernanda Rodrigues | contato@algumasobservacoes.com
    Algumas Observações
    Projeto Escrita Criativa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Fernanda! O livro é bastante envolvente. Na verdade é uma gata. É a gata da minha vida, ela é linda mesmo. Beijo!

      Excluir
  7. Esse livro eu não conhecia (talvez por não ser meu estilo de leitura). Deve ser uma leitura bem impactante (apesar de cliché). Pra quem é fã do estilo, com certeza é uma ótima pedida!

    =)

    Suelen Mattos
    ______________
    ROMANTIC GIRL

    ResponderExcluir
  8. Oi, Luciano. Tudo bem?

    Eu tive sentimentos controversos ao ler sua resenha, pois apesar de compreender a intenção de enviar Zani para tomar ciência de uma realidade dura a fim de lhe dar um choque de realidade, até que ponto é ético fazê-lo se passar por um doente. Esse ponto que me pegou, mas não duvido que seja uma leitura interessante!

    Beijos
    - Tami
    https://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Tamires vou bem! Você está certa no que diz respeito à ética. Contudo, essa foi a maneira que o pai encontrou para puní-lo. Beijos!

      Excluir
  9. Boa noite tudo bem? Procuro novos seguidores para o meu blog. Posso te seguir também. https://viagenspelobrasilerio.blogspot.com/?m=1

    Se você me seguir manda o link para o meu blog que eu te sigo de volta.

    ResponderExcluir
  10. Olá, Luciano.

    Lembro de ter lido esse livro e me sentido assim também, era um clichê bem gostosinho de se ler e com lições que poderiam nos marcar.
    E apesar de o livro ser bem pesado - kkkkkk - a diagramação dentro era linda e muito rápida.
    Abraços,
    Agatha
    http://www.starbooks.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Agatha! A diagramação é muito bonita, e o livro é excelente. Abraço.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog