Pular para o conteúdo principal

Resenha: Os Sete

Livro: Os Sete
Editora: Aleph
Autor: André Vianco


Sinopse:
Nobres homens de bem, jamais ouseis profanar este túmulo maldito. Aqui estão sepultados demônios viciados no mal e aqui devem permanecer eternamente. Que o Santo Deus e o Santo Papa vos protejam. Uma caravela portuguesa naufragada com mais de 500 anos é descoberta no litoral brasileiro. Dentro dela, uma estranha caixa de prata lacrada esconde um segredo. Apesar do aviso grafado, com a recomendação de não abri-la, a equipe de mergulhadores que a descobriu decide seguir em frente, e encontra sete cadáveres. Esses corpos misteriosos e cadavéricos são levados para estudos e tudo parece estar sob controle até o despertar do primeiro deles. Em Os Sete, André Vianco atualiza o mito dos Vampiros, apresentando ao leitor seres poderosos, cada um com uma característica única, mas todos com natureza monstruosa e sanguinária.


Olá caros leitores e caríssimas leitoras, preparados para mais uma resenha literária. Venham comigo descobrir minhas impressões à respeito da obra.


Tiago, César e Olavo são amigos e possuem em comum a prática do mergulho. Mais do que um hobby, muitas vezes eles ganham algum dinheiro descobrindo antiguidades no mar. Num desses mergulhos, eles acabam encontrando uma caravela portuguesa naufragada; a agitação entre eles torna-se evidente, e eles começam a imaginar o que podem encontrar de valor dentro desse grandioso achado.
Após alguma organização, mergulham novamente e retiram alguns bens preciosos, principalmente moedas. Porém, o que chama a atenção é uma grande caixa de prata que é impossível de abrir ou arrastar. A curiosidade é grande, mas lhe faltam meios de desbravar aquele objeto. Para tal, solicitam a ajuda de uma universidade, vendendo a localização da caravela e recebendo participação em possíveis lucros.
Após muito esforço conjunto, a caixa de prata é retirada do fundo do mar. Dentro, sete múmias, todas razoavelmente bem conservadas. Contudo, coisas estranhas começam a acontecer com os corpos e com o lugar. A primeira delas é um frio congelante, que começa a incomodar a todos que estão no local. Sem explicações lógicas, tudo parece indicar para os corpos resgatados no fundo do mar. Seriam mesmo aquelas múmias de demônios, como a caixa de prata anunciava?
Partindo dessa premissa, Vianco faz uma boa reelaboração do mito dos vampiros. Dando características novas a esses seres, novos poderes e muita vontade de matar. Aliás, esse é o ponto alto do livro: os sete. Eles são bem construídos, aprofundados e conseguimos visualizá-los durante a leitura. Suas características individuais são bem trabalhadas, tornando cada um deles único. Isso faz com que a trama seja interessante. Por outro lado, falta um trabalho mais profundo e inteligente nos protagonistas humanos. É meio inconcebível e algumas situações que eles se metem, ainda mais sabendo que estão enfrentando seres tão poderosos.
Outro ponto do livro que merece ser destacado são as descrições; Vianco aposta nelas para ambientar melhor o leitor durante o enredo. Contudo, isso tem dois efeitos: um positivo e um negativo. O efeito bom é que a obra realmente fica densa, melhor amarrada – apesar de algumas pontas soltas aqui e ali, talvez por inexperiência do autor na época –, porém, por outro lado, em alguns momentos, a leitura parece bem arrastada, necessitando de esforço para continuar a leitura. Geralmente, o esforço é compensando por boas cenas posteriores, porém, isso pode incomodar o leitor mais impaciente.
A escrita do autor, por sua vez, é boa, mas ainda não é perfeita, mostrando indícios de que esse livro é realmente do começo da carreira. Quem já leu os livros mais recentes do autor, sabe que a escrita dele é excelente. Ainda assim, apesar de uma falha e outra, já desponta um talento claro, o que imagino ter sido muito bem lapidado posteriormente, visto a legião de fãs que Vianco conquistou ao longo dos anos. Esses pequenos pontos ficam mais evidentes em algumas atitudes tomadas por personagens, que parecem não casar bem com o enredo, assim com a escolha de alguns elementos que parecem deslocados.
Contudo, apesar das pequenas falhas, algo perdoável para um primeiro trabalho, o livro consegue alcançar o seu objetivo, que é a reformulação do mito do vampiro, criar uma trama com um ar de novidade e, principalmente, conseguir envolver o leitor na maior parte do tempo.
Em resumo, apesar de não ser um livro perfeito, "Os Sete" se mostra uma boa obra, com vampiros realmente interessantes e com uma pegada forte. Recomendo. Finalizo por aqui, espero que tenham gostado da resenha e até a próxima!

Comentários

  1. Oi Luciano,
    Vejo MUITA gente elogiando a escrita do André Vianco, porém ainda não tive nenhuma oportunidade de conferir. Até porque, tenho um certo receio com vampiros... Não é algo que me atraia.

    http://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Alessandra! Ele escreve muito bem, embora este livro aqui, por ser o primeiro dele não esteja perfeito, mas ele escreve muito bem. Que pena que você tenha receios com livros vampirescos.

      Excluir
  2. André Vianco não decepciona. Curto muito a escrita dele e já conheço a obra Os Sete e recomendo muito. Adorei conhecer sua opinião sobre o livro.

    Beijos

    Imersão Literária

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A obra é muito boa, apesar de as pequenas falhas que a obra possui, a leitura é prazerosa. Beijos!

      Excluir
  3. Oi!

    A primeira vez que vi esse livro foi há aproximadamente 9 anos atrás quando uma amiga estava lendo e contou para mim parte do enredo, sem narrar spoilers, na época a obra não havia chamado a minha atenção, mas atualmente eu com certeza leria! Adorei a ''nova'' capa da obra.

    Abraços,
    Andy - StarBooks

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Andy! Não deixe de conferir o livro, pois a obra é muito boa. Abraços!

      Excluir
  4. Oi
    eu já li esse livro e sinceramente eu não gostei da leitura, até hoje só li um livro do autor , pelo menos gostou da leitura mesmo não considerando perfeita.

    http://momentocrivelli.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Denise! Que chato que a leitura não tenha lhe agradado. Para mim, ela foi satisfatória, mas longe de ser perfeita.

      Excluir
  5. Olá, Luciano.
    Eu li esse livro tem alguns anos. Mas acho que hoje não leria porque fiquei meio medrosa para livros com demônios hehe. Tanto que nem li a continuação. Mas gosto da escrita do autor.

    Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Sil! Você não parece ser uma leitora medrosa, de todo modo você gostou do que leu. E esse detalhe é o mais importante. Abraço!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Zona de conforto!

Todos nós já passamos por muitas decepções e frustrações ao longo de nossa caminhada. Com o passar do tempo, ficamos receosos com tudo e todos. Muito normal, mas não podemos ser dominados pelo medo. Por receio dos riscos, fracassos e frustrações podemos acabar inconscientemente com as nossas realizações. Ou seja, o medo é o maior causador da autosabotagem. Achamos que não somos capazes e merecedores de vitórias, sucesso e felicidade.
O desconhecido nos provoca muito medo. "Vai dar tudo certo? O que vai acontecer? Terei sucesso?" Esse medo faz com que nos mantenhamos na nossa “zona de conforto”. Muitas pessoas encontram-se estagnadas em sua vida porque se deixam amedrontar por essa sensação de insegurança.
Pare e reflita! Como é viver sem arriscar? Viver sem intensidade? Viver com medo? É viver de uma forma mais ou menos, sem aquele frio na barriga ou adrenalina. Você perde oportunidades incríveis por causa dessa insegurança. O medo é o pior empecilho para que você atinja se…

Incompletos!

Perdemos vários aprendizados quando esse acesso é interrompido, os tais emaranhados, e com isso dificultamos nosso processo natural de evolução.
Então, se essas informações nos pertencem, porque não podemos nós mesmos resgatá-las?
Basta para isso que tenhamos alguns pontos a considerar.
Se você tem dificuldade em aceitar seus erros, vai ficar muito difícil entender as emoções e reflexões que esse processo irá gerar. Tem que estar ciente que não somos o umbigo do mundo, que nem sempre o erro está no outro e estar disposto a promover modificações na forma de agir e pensar.
Todos os movimentos que fazemos durante uma constelação têm por objetivo olhar os membros da família com amor. Não se tem como aprender com a vivência do outro se não compreendemos que por mais “daninha“ aparentemente tenha sido sua passagem nesse mundo, sempre se tem o que aprender com ele. Sem essa compreensão, excluímos o indivíduo e com ele toda a gama de sabedoria que nos seria útil. Lembrando que "exclusão…

Resenha: Mini contos e muito menos

Obra: Mini contos e muito menos
Editora:Amazon/Independente
Autor: Marcelo Spalding

Sinopse:
Minicontos e Muito Menos é o primeiro livro de minicontos de Marcelo Spalding, doutor em Língua Portuguesa que, em seu Mestrado, fez a primeira dissertação do Brasil sobre os minicontos. Marcelo também é editor do site www.minicontos.com.br


Olá queridos leitores e leitoras, hoje trago a vocês uma resenha de uma  obra muito peculiar, trata-se de "mini contos e muito menos". Pelo título já dá para saber que a obra é de mini contos, para ser preciso são 5 mini contos contidos na obra. Os nomes dos mini contos são: Cinco Marias, Ciranda da vida, Cédula viva, Faces de sete poemas e Sinal dos tempos. Os minicontos são narrados independentes, os mesmos não possuem ligação entre si, visto que, em alguns livros de contos, os mesmos possuem ligação com os outros, nessa obra não. Eu achei os minicontos muito bem escritos, com tramas bem elaboradas e também coerentes em suas histórias, contudo …